Fique Diva - Depois de 16 anos alisando o cabelo, a jornalista Andressa Cabral assume os cachos e afirma: 'Renasci'

22/02/2016 / Publicado por Nayanne Louise

Depois de 16 anos alisando o cabelo, a jornalista Andressa Cabral assume os cachos e afirma: 'Renasci'

Andressa Cabral, a jornalista de 24 anos que alisou os cabelos durante 16 anos e sentiu-se 'renascida' quando finalmente se livrou da química e assumiu seus cachos divos

Andressa Cabral, a jornalista de 24 anos que alisou os cabelos durante 16 anos e sentiu-se 'renascida' quando finalmente se livrou da química e assumiu seus cachos divos

Andressa começou a fazer relaxamento com 6 anos e permaneceu até os 17. Com 18 experimentou a progressiva e pagou com o dinheiro que recebeu no primeiro trabalho: 'Na época eu trabalhava no Recreio e acordava muito cedo para arrumar o cabelo. Alisar foi uma alternativa para ganhar praticidade', contou. Foto de janeiro de 2014, quando começou a transição

Andressa começou a fazer relaxamento com 6 anos e permaneceu até os 17. Com 18 experimentou a progressiva e pagou com o dinheiro que recebeu no primeiro trabalho: 'Na época eu trabalhava no Recreio e acordava muito cedo para arrumar o cabelo. Alisar foi uma alternativa para ganhar praticidade', contou. Foto de janeiro de 2014, quando começou a transição

Atualmente com cabelos roxos, Andressa reforçou os cuidados 'Antes só fazia dratação e usava produtos sem sulfato e sem petrolato. Agora, passei a fazer um cronograma com hidratação nutrição e reconstrução'

Atualmente com cabelos roxos, Andressa reforçou os cuidados 'Antes só fazia dratação e usava produtos sem sulfato e sem petrolato. Agora, passei a fazer um cronograma com hidratação nutrição e reconstrução'

A jornalista alternou entre escova progressiva, marroquina e turmalina. Entre um período longo de uma escova e outra, a jovem relembra que também fazia relaxamento com guanidina pra manter a raiz baixa

A jornalista alternou entre escova progressiva, marroquina e turmalina. Entre um período longo de uma escova e outra, a jovem relembra que também fazia relaxamento com guanidina pra manter a raiz baixa

Antes do big chop, Andressa investia em coques e tranças para não precisar texturizar os fios indefinidos. Foto de janeiro de 2015

Antes do big chop, Andressa investia em coques e tranças para não precisar texturizar os fios indefinidos. Foto de janeiro de 2015

'Comecei a trabalhar em um local onde três das quatro mulheres tinham o cabelo cacheado/crespo. Ver o cabelo delas era um lindo incentivo! Depois passei a frequentar o baile charme do Viaduto de Madureira e comecei a entender a beleza do afro. Ver aqueles cabelos black powers me dava uma motivação a mais' relembrou a cacheada. Foto de março de 2015

'Comecei a trabalhar em um local onde três das quatro mulheres tinham o cabelo cacheado/crespo. Ver o cabelo delas era um lindo incentivo! Depois passei a frequentar o baile charme do Viaduto de Madureira e comecei a entender a beleza do afro. Ver aqueles cabelos black powers me dava uma motivação a mais' relembrou a cacheada. Foto de março de 2015

Quer saber qual é o segredo dessa cacheada para reconstruir os fios coloridos? A super queratina líquida de Niely Gold: 'O preço é bem acessível e rende muito. Além do cheiro, que é maravilhoso', recomendou a jovem. Foto de maio de 2015

Quer saber qual é o segredo dessa cacheada para reconstruir os fios coloridos? A super queratina líquida de Niely Gold: 'O preço é bem acessível e rende muito. Além do cheiro, que é maravilhoso', recomendou a jovem. Foto de maio de 2015

Andressa ficou um ano em transição capilar. Foi quando em janeiro de 2015 decidiu fazer o big chop para eliminar o comprimento com a química que ainda restava. Foto de julho de 2015

Andressa ficou um ano em transição capilar. Foi quando em janeiro de 2015 decidiu fazer o big chop para eliminar o comprimento com a química que ainda restava. Foto de julho de 2015

'Passei a me identificar como mulher negra desde o primeiro momento que vi o meu cabelo como ele realmente é. O cabelo alisado, quando se tem a pele clara, que é o meu caso, 'embranquece' muito a pessoa. Eu mesma não me reconhecia como negra. Agora as pessoas me veem como realmente sou', afirmou a cacheada orgulhosa. Foto de novembro de 2015

'Passei a me identificar como mulher negra desde o primeiro momento que vi o meu cabelo como ele realmente é. O cabelo alisado, quando se tem a pele clara, que é o meu caso, 'embranquece' muito a pessoa. Eu mesma não me reconhecia como negra. Agora as pessoas me veem como realmente sou', afirmou a cacheada orgulhosa. Foto de novembro de 2015

O Fique Diva adora histórias de meninas que passaram por uma transformação capilar e deram a volta por cima. Como é o caso da Andressa Cabral, a jornalista de 24 anos que alisou os cabelos durante 16 anos e sentiu-se “renascida” quando finalmente se livrou da química e assumiu seus cachos divos. Nós batemos um papo com a carioca e ela nos contou toda sua trajetória durante a transição. Confira e inspire-se!

“Passei a me identificar como mulher negra desde o primeiro momento que vi o meu cabelo como ele realmente é. O cabelo alisado, quando se tem a pele clara, que é o meu caso, ‘embranquece’ muito a pessoa. Eu mesma não me reconhecia como negra. Agora as pessoas me veem como realmente sou”, afirmou a cacheada orgulhosa.

‘Alisar foi uma alternativa para ganhar praticidade’

Andressa começou a fazer relaxamento com 6 anos e permaneceu até os 17. Com 18 experimentou a progressiva e pagou com o dinheiro que recebeu no primeiro trabalho: ”Na época eu trabalhava no Recreio e acordava muito cedo para arrumar o cabelo. Alisar foi uma alternativa para ganhar praticidade”, contou. Desde então, a jornalista alternou entre escova progressiva, marroquina e turmalina. Entre um período longo de uma escova e outra, a jovem relembra que também fazia relaxamento com guanidina pra manter a raiz baixa.

‘Trabalhar com mulheres de cabelos cacheados foi um incentivo’

Janeiro de 2014 foi quando Andressa decidiu fazer o último relaxamento com guanidina, pois estava cansada e já nem lembrava como eram seus fios originalmente. “Nesse período comecei a trabalhar em um local onde três das quatro mulheres tinham o cabelo cacheado/crespo. Ver o cabelo delas era um lindo incentivo! Depois passei a frequentar o baile charme do Viaduto de Madureira e comecei a entender a beleza do afro. Ver aqueles cabelos black powers me dava uma motivação a mais”, relembrou a cacheada.

Andressa ficou um ano em transição capilar. Foi quando em janeiro de 2015 decidiu fazer o big chop para eliminar o comprimento com a química que ainda restava: “Foi melhor do que eu podia imaginar. Passei muito tempo fazendo prancha e, com isso, sentia necessidade de fazer mais hidratações pra recuperar os fios, já que parte dele estava sem química e foi ficando danificado aos poucos”, declarou. Durante esse período, a moça também investiu em diversos tipos de texturização, e quando rolava uma ocasião especial, recorria à trança embutida ou um coque donut superestiloso.

Com os cachos de volta, o cronograma capilar aumentou

Agora totalmente cacheada e com as madeixas coloridas, Andressa compartilha com a gente quais são seus cuidados capilares: “Uso tonalizante roxo no cabelo e, pra isso, tive que descolorir. É um processo que causa muito dano e, por isso, tive que aumentar os cuidados. Antes fazia somente hidratação e usava produtos sem sulfato e sem petrolato. Agora, passei a fazer um cronograma com hidratação nutrição e reconstrução”, contou. Quer saber qual é o segredo dessa cacheada para reconstruir os fios coloridos? A super queratina líquida de Niely Gold: “O preço é bem acessível e rende muito. Além do cheiro, que é maravilhoso”, recomendou a jovem.

Você é uma diva, Andressa!

Mais Matérias:

Mais Matérias

Espaço Diva

Fique ainda mais diva usando a hashtag #fiquedivacomniely no Instagram